Entenda o que é a GRRF e como ele é gerado

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) foi criado para proteger o empregado demitido sem justa causa. Para que o trabalhador tenha acesso ao recurso em um momento que geralmente exige agilidade, é necessário saber o que é GRRF.

Se você ainda não sabe, então este artigo vai ser bastante útil. Aproveite a leitura abaixo e tire suas dúvidas sobre o que é GRRF.

Confira também: Ebook 10 dicas para seu planejamento financeiro empresarial 

Como funciona um processo rescisório?

Certamente você deve concordar que demissões não costumam ser um assunto agradável. Geralmente, ocorrem em momentos de crise ou por alguma divergência na relação entre a contratante e o trabalhador. Portanto, é importante que sua empresa tenha um procedimento claro e ágil para lidar com essa situação.

Nesse processo, as formalidades previstas em lei não podem ser negligenciadas. Uma delas, o FGTS, é uma garantia conquistadas ha décadas pelo trabalhador. Porém, para que o profissional possa receber suas verbas, como é de direito, a empresa precisa seguir alguns passos importantes.

  1. Primeiramente, emitir o extrato do FGTS para fins rescisórios;
  2. emitir o Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT);
  3. comunicar a rescisão por meio do programa Conectividade Social;
  4. emitir e por fim recolher a GRRF.

Aqui, vamos sanar as dúvidas, principalmente sobre o último passo citado: emitir e recolher a guia GRRF.

O que é GRRF?

Para ampliar a agilidade e precisão ao processo de recolhimento de verbas rescisórias, a Caixa Econômica Federal criou a Guia de Recolhimento Rescisório do FGTS (GRRF).

Por meio desse documento, é possível efetuar o recolhimento da multa rescisória, do aviso prévio indenizado, assim como dos depósitos do FGTS que ainda não tenham sido realizados.

Qual função da guia de recolhimento?

A GRRF é obrigatória desde agosto de 2007. Ela substituiu a antiga Guia de Recolhimento Rescisório do FGTS e Contribuição Social (GRFC). Essa mudança trouxe mais segurança ao processo de recolhimento e depósito dos valores rescisórios do FGTS na conta vinculada. Além disso, garantiu cálculos mais precisos.

Desde 2015, a GRRF também está integrada ao eSocial. Isso dá mais segurança ao empregado doméstico na rescisão de seu contrato.

Segundo a Caixa Econômica Federal são uma série de benefícios decorrentes desse documento. Estão entre eles:

  • automatização na comunicação do desligamento do empregado;
  • solicitação de saldo rescisório do FGTS por meio de aplicativo;
  • geração de guia com código de barras, dessa forma ampliando o leque de canais de pagamento;
  • unificação, em apenas um documento, do recolhimento de valores de um ou mais empregados;
  • exatidão no cálculo dos valores rescisórios;
  • eliminação da necessidade de deslocar-se até uma agência bancária;
  • agilidade no crédito dos valores nas contas vinculadas dos trabalhadores.

Quem deve emitir esse documento?

A emissão, assim como o pagamento da GRRF deve ser feito por pessoas físicas ou jurídicas que empregam trabalhadores domésticos. Isso deve ser feito no momento da rescisão do contrato de trabalho.

Em primeiro lugar, é importante destacar que a rescisão com justa causa não dá direito ao saque do fundo de garantia. A guia é utilizada apenas em casos de desligamento:

  • sem justa causa, por iniciativa do empregador;
  • por término do contrato a termo;
  • por culpa recíproca;
  • por força maior ou indireta.

Há ainda outras situações que exigem a emissão e recolhimento da guia.

Como gerar o arquivo?

A GRRF é gerada no programa Conectividade Social ICP, disponibilizado pela Caixa e que pode ser integrado ao sistema ERP de sua empresa. Para acessá-lo, basta ter uma certificação digital e apresentar CNPJ, identidade e CPF dos representantes legais, assim como os documentos de constituição da empresa que os qualifiquem a praticar atos jurídicos em nome da organização.

É preciso fornecer as seguintes informações:

  • remuneração: a Base do FGTS, composta por saldo de salário do mês da rescisão, 13º salário, aviso prévio indenizado, média do aviso indenizado, 13º salário indenizado, assim como adicionais;
  • depósito: percentual de 2% ou 8% do valor da remuneração, de acordo com a categoria do trabalhador;
  • saldo rescisório: o saldo na conta de FGTS do trabalhador;
  • depósito rescisório: 40% do valor do saldo rescisório;
  • contribuição social: 10% do valor do saldo rescisório;
  • total do trabalhador: soma dos valores de depósitos;
  • total a recolher: soma do total do trabalhador, da contribuição e também da multa rescisória, quando houver.

Caso seja necessário recolher valores referentes a mais de um empregado, não é necessário gerar guias separadas. As informações disponibilizadas no sistema vão identificar os destinos corretos do valor total a ser pago.

Um manual completo sobre o preenchimento de o que é GRRF e como usar, está disponível para download no site da Caixa.

Como efetuar a conferência?

Antes de pagar a guia, efetue a conferência dos valores gerados, com objetivo de evitar erros e possíveis dores de cabeça, tanto para a empresa quanto para o trabalhador. Aqui vão algumas dicas para a conferência:

  • observe se o valor do FGTS informado está correto, multiplicando o valor do salário em 2% para Contrato de Aprendizagem e 8% para demais trabalhadores;
  • em caso de aviso prévio indenizado pela empresa, verifique se a devida quantia compensatória — corresponde a 2% ou 8% de acordo com o tipo de trabalhador — está contemplado na guia;
  • nas rescisões sem justa causa, a guia deve contar com o valor da multa de 50% do saldo de FGTS, sendo que 40% são para o profissional e 10% para a União.

Como efetuar o pagamento?

Os prazos para recolhimento dos valores são até o 1° dia útil subsequente à data do efetivo desligamento do trabalhador, quando houver cumprimento de aviso prévio, e até o 10° dia corrido, quando for indenizado, dispensado ou no caso da extinção normal ou rescisão antecipada do contrato de trabalho por prazo determinado.

A GRRF gerada deve ser paga até sua data de vencimento, em qualquer banco conveniado à Caixa Econômica Federal. Caso o valor da guia não ultrapassar mil reais, ainda é possível fazer o recolhimento nas unidades lotéricas.

Quais são os ajustes necessários pós-reforma trabalhista?

Em novembro de 2017, a Caixa divulgou comunicado com orientações sobre os procedimentos para adequar a geração da guia de recolhimento às mudanças implementadas pela reforma trabalhista.

Entre as novidades, a guia passou a contemplar a extinção do contrato de trabalho por acordo entre as partes. Nesse caso, deve ser incluída a multa rescisória, na proporção de 50% do valor que seria devido, em caso de demissão por justa causa.

Agora que você já sabe o que é GRRF, assine nossa newsletter para ter acesso a mais dicas úteis sobre como gerir melhor os processos da sua empresa.

Baixe ainda nosso ebook-  5 Segredos sobre estratégias de lucro empresarial

Samuel M Basso

Mais de 16 anos de experiência na área de tecnologia da informação Samuel é um executivo de negócios de TI, empresário e professor. Tem uma grande experiência em análise e desenvolvimento de sistemas de gestão, marketing digital, consultor de micro e pequenas empresas.

Deixe um comentário