Passos para um diagnóstico financeira

diagnóstico financeiro

O setor financeiro é o coração de uma empresa. Afinal, é ele que garante recursos para manter todo o negócio em ordem. É por este motivo que devemos garantir que ele esteja em bom estado e funcionando perfeitamente.  E a melhor maneira para fazer isso é através de um diagnóstico financeiro periódicos.

Uma pessoa obesa, que come gordura todo o dia e não vai ao médico regularmente tem muito mais chances de problemas de infarto do que uma pessoa que vai ao médico ao menos uma vez por ano e que cuida da sua saúde. Não é mesmo?

Quando falamos em empresas é a mesma coisa. Isso é o que pode acontecer se tivermos uma estrutura grande e não buscarmos reduzir custos, nem fazer diagnósticos financeiros. Provavelmente teremos resultados menores do que uma empresa que mantém tudo na ponta do lápis. Principalmente em épocas de crise econômica.

Neste post você conhece as principais estratégias para fazer um diagnóstico completo.

Por que fazer um diagnóstico financeiro?

Como dito anteriormente, um dos principais motivos para fazer o diagnóstico financeiro de sua empresa é entender a sua saúde. Afinal, só assim é possível entender se você está tendo resultados ou prejuízos no seu negócio.

Por exemplo, imagine que seu fornecedor apresentasse uma oferta especial. Ele te oferece para comprar uma grande quantidade por um preço abaixo da tabela. Parece tentador, não? Mas como saber se este tipo de investimento é viável e se é realmente necessário? E se, ao fazer o investimento você comprometesse parte dos recursos utilizados para pagar a sua folha de pagamento?

Este é um dos motivos para conhecer a realidade do seu negócio. O diagnóstico financeiro norteia e aponta a viabilidade de novos investimentos.

Outra vantagem é que você passa a conhecer os custos, despesas e receitas do seu negócio. Assim você coloca uma luz sobre os números e consegue traçar estratégias e metas claras para melhorar lucros e resultados.

Passo-a-passo como fazer um diagnóstico financeiro empresarial

Existem alguns passos que você pode seguir para a realização de um diagnóstico financeiro empresarial. Como dito anteriormente, ele aponta um norte para reduzir custos e despesas, otimizar resultados e diminuir problemas de fluxo de caixa. Para fazer o diagnóstico financeiro, primeiramente você precisa juntar os seus controles financeiros, como planilhas, anotações em papéis, extratos bancários e outros controles que tiver. 

Importante salientar que, independentemente da situação, você deve sempre fazer um controle financeiro de todas as entradas e saídas.

Vamos ao passo a passo para fazer o Raio X financeiro da sua empresa.

1 – Conheça o seu faturamento

O primeiro ponto para uma boa análise financeira é conhecer o quanto você arrecada em determinado período. Determine qual o valor total arrecadado no mês e discrimine cada uma das entradas de recursos. 

Para facilitar a compilação dos dados, você pode criar uma tabela no excel para controle diário, em que registra o valor recebido e a origem deste recurso. 

Assim você garante o controle de quanto entrou de dinheiro em determinado mês,quais as principais fontes de recursos, quais os clientes que realizaram pagamentos e quem ficou inadimplente.

2 – Identifique seus custos e despesas

Agora que você já conhece bem o seu faturamento, o próximo passo é identificar todas as suas despesas fixas e custos variáveis criando categorias para analisar as possibilidades de redução de custos. 

Separe cada uma das suas despesas fixas para entender o quanto gastou em determinado período com salários, aluguel, telefone, energia elétrica, água, entre outros. E também crie categorias para seus custos variáveis como matéria-prima, custos de produção, fretes, impostos, comissões, entre outros.

3 – Qual é o saldo a receber?

Você sabe qual o valor exato que sua empresa tem para receber? Muitas vezes, para fechar um pedido, precisamos parcelar, recebendo o montante total aos poucos. Por isso, é preciso manter um controle para que saibamos quais são os clientes devedores e quanto dinheiro ainda temos a receber.

4 – Quais são as suas dívidas?

Saber o quanto você tem para receber é importante, mas você também não deve perder de vista o montante que você tem a pagar. Por isso, discrimine todos os débitos que sua empresa precisa quitar. Separe cada um deles, o valor total e o valor das parcelas (se for o caso), para que você saiba o qual o montante necessário para quitar estas dívidas e se precisará deslocar verba ou apertar o cinto nos próximos meses.

5 – Hora de cruzar os dados

Antes de mais nada, determine qual o período desejado para a análise. É mensal, bimestral, semestral, anual? Compile todos os dados do período e então avalie se as receitas atuais e o saldo a receber é maior ou menor do que as suas despesas e dívidas. 

6 – Estabeleça metas e ações

Após entender como está o setor financeiro você deve estabelecer metas de redução de custos e despesas para o próximo período. Você pode, por exemplo, identificar uma oportunidade para redução no consumo de energia elétrica, ou definir por procurar um fornecedor com condições e preços mais acessíveis. 

O que fazer com o lucro da empresa?

O que fazer com o lucro da empresa

Essa é uma pergunta frequente que me fazem e o que sempre digo é Lucro da empresa é da empresa.

Por que falo isso? Pelo motivo que muitos empresários acham que o lucro da empresa é deles e pega e gastam como quiser.

O recomendado é sempre investir o lucro da empresa nela mesma.

Faça primeiro uma reserva de emergência que em momentos de dificuldades ou crise tem um dinheiro disponível para isso. Ideal é um valor que sustente 6 meses dos gastos médios da empresa.

Outra parte do lucro realize aplicações financeiras, faça com que seu dinheiro investido gere lucros para você. Assim verá o patrimônio aumentando todos os meses com os juros ganhos.

Faça diversas reservas de dinheiro para outras ocasiões tais como: pagamento de décimo terceiro, pagamento de férias, demissões, etc.

Tudo isso faz com que sua empresa tenha segurança financeira e não tome sustos quando alguma conta que você não tinha planejado aparecer.

E aí o que achou? Quero sua opinião.

Como quitar as suas dívidas

Como quitar as suas dívidas

A riqueza é como uma árvore, cresce a partir de uma semente. Quanto mais cedo plantá-la, mais cedo a árvore crescerá.

A primeira etapa para aqueles que estão com dificuldades financeiras e pretendo no curto prazo resolver essa situação e no longo prazo criar uma possibilidade de mais segurança gosto dessa frase do exemplo relacionando a riqueza com uma árvore, tudo começa a partir de uma semente.

Seguindo essa linha o que a literatura e especialistas falam é que você deve sempre guardar 10% do seu salário como forma de pagar a si mesmo antes de pagar todas as suas contas.

Esses 10% você deve religiosamente separar todos os meses, investir em uma aplicação financeira para render juros e garantir assim uma segurança financeira para você e sua família. Essa segurança é importante pois nunca sabemos que imprevistos podem surgir.

Desta forma sobram 90% para que você viva sua vida, mantenha seus padrões de gastos essenciais e gastos não essenciais, tais como, jantares em outros lugares, entretenimento, etc.

Só com essa disciplina de separar os 10% para investir e saber que deverá adaptar suas contas para caber dentro dos 90% já é um grande avanço, mentalmente você já se adapta a nova realidade.

E não interessa o quanto você GANHA e sim o COMO você gasta.

Sempre tem como reduzir gastos desnecessários e levar uma vida mais simples. Se sua vida não cabe dentro dos 90% significa que você está em um padrão de vida que não comporta sua renda, ou seja, tem que reduzir mordomias.

E se o momento é mais complicado, tem dívidas, e está difícil de sair, o que a literatura e especialistas recomendam é:

  • 1 – Honre suas dívidas, se tem dívidas foi você que fez, foi decisões suas que não foram bem planejadas, então honre com elas. Fale com todas as pessoas e empresas que você tem essas dívidas e comente que vai começar a quitar as contas todo mês
  • 2 – Continue investindo os 10% para sua segurança financeira
  • 3 – Separe 20% para ser distribuído entre todas as pessoas e empresas que está você tem dívidas
  • 4 – Viva com os 70% restantes, se necessário, terá que neste momento reduzir o padrão de vida, vender coisas que não utiliza mais, vender o carro e comprar um mais barato, buscar formas de aumentar as receitas, entre outras coisas.

Tudo isso será necessário e por prazo curto até que quite todas as suas dívidas. Depois volta ao normal.

Lembrando que tenho relatos de pessoas que passaram por isso e como conseguiram e se adaptaram com 70% das receitas, após pagarem todas as dívidas ao invés dos 20% que eram destinados as dívidas eles voltarem a aumentar o padrão de vida ele uniram junto com os 10% de investimento e aumentaram ainda mais o capital de segurança.

https://youtu.be/wJZATp60T9c

Legal né? Comenta aí o que achou?

Estratégias para empresas pós coronavírus

A crise causada pelo coronavírus, sem dúvida, irá afetar muito os negócios e o comportamento de agora em diante. Por este motivo, é preciso se adaptar desde já e criar estratégias para empresas pós coronavírus.  

Embora ainda estamos em meio à pandemia, uma coisa que temos certeza é que irá passar. E desta forma, teremos oportunidades para empresas que estiverem melhores preparadas.

Vamos falar agora de algumas estratégias e como pode aplicá-las.

Porque pensar em estratégias para empresas pós coronavírus?

As empresas sentiram um baque por causa da crise e com certeza ninguém no mundo previu em seus plano de negócios uma pandemia. O coronavírus afetou não só o sistema de saúde, mas toda a base da sociedade, impactando a economia, logística, comércio, sistema educacional e relações familiares.  

De acordo com um estudo realizado pelo Google, existem algumas tendências de comportamento no mundo pós coronavírus.

Entre as principais tendências está a aceleração da digitalização do trabalho e educação, aumento de compras online e de uso de serviços de delivery, aumento na utilização de streamings, aumento na consciência do coletivo, urgência na retomada de grandes decisões e planos, entre outros.

Com tantas mudanças, é fundamental pensar em estratégias para empresas, conforme vou falar a seguir.

Estratégias para empresas pós coronavírus

1- Melhore o relacionamento com clientes

Uma das principais mudanças é na maneira como nos relacionamos com nossos clientes. Por este motivo, é preciso pensar em estratégias para melhorar o relacionamento com seus clientes após a crise.

O importante é atender às expectativas do seu cliente e atendê-lo da melhor maneira. Crie estratégias de vendas e de pós-vendas para fazer com que eles voltem a fazer negócios com sua empresa.

2 – Revise seu modelo de trabalho

Se uma coisa deixou claro durante a quarentena é que muitas funções não precisam ser desempenhadas necessariamente dentro da empresa. O regime de trabalho home office, por exemplo, é uma alternativa que pode ser utilizada por muitas pessoas quando a pandemia passar.

O trabalho remoto é uma alternativa e pode ser utilizado em alguns dias da semana, deixando a equipe mais a vontade e motivada, por exemplo. 

3 – Invista no digital

As compras pela internet dispararam. Não importa se sua empresa seja um comércio, indústria ou serviço. É preciso investir em canais digitais para que potenciais clientes encontrem o seu negócio.

4 – Fluxo de caixa é importante

O coronavírus comprovou, de uma vez por todas, que a grande maioria das empresas não estava preparada financeiramente para qualquer tipo de crise, seja ela grande ou pequena. 

Desta forma, esta é uma oportunidade para estruturar financeiro de sua empresa criando um bom fluxo de caixa do seu negócio. O primeiro passo para começar a ter lucros é a organização financeira.

5 – Utilize a tecnologia a seu favor

Utilizar a tecnologia para auxiliar a gerenciar a sua empresa é uma boa saída para vencer a crise causada pelo coronavírus. Utilizando a tecnologia é possível manter organizado todos os setores da sua organização e ter dados rápidos e confiáveis para a tomada de decisões.

Como aumentar as vendas

como aumentar as vendas

Quando se trata de vender mais eu gosto muito de uma frase que é: vendas é intensidade.

Vai vender mais quem:

– Ligar mais

– Visitar mais

– Realizar mais reuniões

Não tem muito segredo. O negócio aqui é intensidade, não basta ficar parado culpando governo, crise, concorrente e não tirar a bunda da cadeira.

Quer resultado, bora pegar o telefone, agendar visitas e ir pra rua vender.

2 Dicas para Reduzir o Custo de Produto

Dicas para Reduzir o Custo de Produto

Sempre me pedem é sobre custo de produto. Tenho duas dicas fundamentais para que você tenha cuidado e preste atenção.

1) Preço de compra é diferente de custo do produto

Uma coisa é o preço que está na nota fiscal quando você adquire um produto, outra coisa é saber o que tem de custo envolvido dentro deste preço de compra, o que formaria o custo total do produto. Vamos a um exemplo: eu compro uma caneca a R$10,00 esse é preço que meu fornecedor me fez, agora junto com isso eu tenho que pagar frete, diferencial de alíquota (se comprar de outro estado), etc. Então esse cuidado que temos que ter, pois isso pode diferenciar muito de uma compra ou outra e o mais importante é sempre converse com seu contador para saber e entender esses custos “escondidos” que possam ter.

2) Gestão financeira

Algumas empresas não entendem o motivo de seu concorrente conseguir fazer um preço muito melhor sabendo que compram do mesmo fornecedor. E a resposta para isso é: um tem melhor gestão financeira. Isso mesmo. Quando você tem uma excelente gestão financeira você conhece seus custos e despesas melhor que ninguém e consegue manter uma estrutura da empres enxuta o que faz ter menos gastos que outras empresas. Assim, consegue oferecer produtos com preços mais atrativos, uma vez que não tem tantas despesas no final do mês para pagar.

Como trabalhar a questão da mudança cultural para implantá-la

Como disse Peter Drucker: “A cultura come a estratégia no café da manhã!”. 

Mesmo as pessoas concordando que a mudança é boa, é preciso considerar que mudanças culturais são difíceis de fazer e exige muito acompanhamento. Não é tão simples. 

O ideal é ter sempre apoio da alta administração, ou seja, tem que vir de cima para baixo, não adianta um ou outro quiser, tem que ser TODOS. 

Tem que fazer uma boa comunicação dos benefícios da mudança e começar com um piloto, apenas com parte da equipe, e ir aumentando aos poucos, corrigindo os problemas encontrados e comunicando os resultados alcançados até atingir toda a organização.

Os resultados e benefícios de uma boa cultura organizacional não tem como medir de tão especial que é.

Como superar coronavírus para pequenos negócios

Como superar coronavírus para pequenos negócios

Estamos passando por um momento super delicado por causa dessa pandemia do Coranavirus e precisamos preparar nossos negócios, além da nossa saúde é claro, para superar as dificuldades que virão.

Para isso, listei algumas dicas de como superar coronavírus para pequenos negócios. Estamos aplicando em nossa empresa essas dicas e que você também possa avaliar se vale ou não a pena fazer. Confira.

  • 1 – Reduza o máximo possível despesas
  • 2 – Renegocie com fornecedores, aluguel e bancos
  • 3 – Veja possibilidade de oferecer férias e trabalho home office
  • 4 – Fique atento a novas legislações tributárias e trabalhistas
  • 5 – Agora é hora reforçar vendas online e telefone e reforçar o relacionamento
  • 6 – Foque no seu negócio e não em notícias
  • 7 – Reserva Emergência

Conheça os principais indicadores de vendas

Indicadores de vendas

No nosso dia a dia como empreendedores, precisamos acompanhar diversos indicadores que nos demonstram se a nossa empresa está indo no caminho certo e se precisamos otimizar algum processo.

Quando falamos de vendas isso é ainda mais importante. Neste vídeo você confere algumas das métricas mais importantes para acompanhar no seu processo de vendas e melhorar os seus resultados.

O que quer dizer PDCA? Você sabe?

o que é pdca

PDCA quer dizer, em inglês, PLAN–DO–CHECK–ACT, traduzindo Planejar-Fazer-Verificar-Agir.

Trata-se de uma metodologia/técnica de gestão que consiste justamente nestes quatro passos, e que tem como objetivo melhorar os processos e os produtos de forma contínua.

O modelo se tornou famoso nos anos cinquenta graças a este segundo – o estatístico e professor americano William Edwards Deming, considerado o pai do controle de qualidade nos processos produtivos. 

É importante entender que se trata de um ciclo. Ou seja, todo o processo é constituído por atividades que devem ser planejadas e recorrentes, sem que tenham um fim determinado.

Começa com o P, o Planejamento, momento em que você deve focar a parte estratégica, levantando informações e analisando-as. Depois, parte-se para a prática, o D, quando o que foi planejado deve ser executado. E o que foi executado deve, então, ser verificado, ou checado (C); é o momento em que as ações são avaliadas, e cuja avaliação aplicará uma ação ou um ajuste (A), de forma a corrigir os problemas e as divergências encontradas.