A formação do preço de venda é certamente uma das tarefas mais importantes e mais complicada para todos empresários. Ainda mais que, para evitar prejuízos, é necessário que o empresário considere diversos fatores na hora de precificar um produto.

Por este motivo este artigo vai ajudar você no cálculo do preço de venda do seu produto.

Composição do Preço de Venda

A composição do preço de venda dos produtos para os clientes depende de alguns elementos, tais como: despesas fixas, custos variáveis, concorrência, entre outros.

Juntamente com os custos e despesas, temos que lembrar de definir o lucro que desejamos para nosso produto. Afinal, temos que garantir a lucratividade do negócio e poder crescer de forma sólida e saudável.

Antes de mais nada, é bom lembrar que a definição do preço de um produto dependerá de um equilíbrio entre o preço de mercado e o valor de venda calculado para o seu seu produto. No preço calculado existem diversos elementos necessários para precificar, como já citado. Vamos à alguns exemplos deles:

Além disso, temos ainda como custos variáveis o frete da mercadoria vendida, comissão dos vendedores e carga tributária. Este último, vai depender do sistema tributário em que a empresa está enquadrada e os tributos incidentes sobre o preço de venda do seu produto. Além disso, vale lembrar dos impostos que incidem sobre a compra de seus produtos, como a substituição tributária e o diferencial de alíquota.

O que é o Diferencial de Alíquota

O diferencial de alíquota de ICMS é uma tentativa de igualar condições na compra de produto com fornecedores de outros Estados do seu. Assim, se comprar mercadoria de outro Estado, você precisa recolher a diferença de alíquota praticado no Estado de origem e a praticada no seu Estado. Vamos a um exemplo rápido:

Supondo que sua empresa seja de Rio Grande do Sul (RS) e compre R$1.500,00 de mercadorias de um outro Estado, como por exemplo Santa Catarina (SC). Entre SC e RS a alíquota do ICMS é de 12% e no RS a alíquota dentro do Estado é de 18%. Contudo, esta diferença a ser recolhida de ICMS será de 6% sobre o custo do produto, ou seja, R$90,00 (R$1500,00 x 6%). Sendo assim, o custo total desta mercadoria será de R$1.590,00.

Agora que já entendemos o básico das despesas e custos envolvidos, vamos entender melhor cada um deles.

Como calcular as despesas fixas no preço do produto

Antes de mais nada, vamos entender o que é despesas fixas. As despesas fixas são gastos que acontecem independentemente de ocorrer ou não vendas na empresa. Em outras palavras, são gastos que se não existir nenhuma venda você terá essa despesa de igual forma. Assim, se você tem todas essas informações referente as despesas fixas será possível apurar as seguintes informações:

Para considerar as despesas fixas no preço do produto primeiramente precisamos saber o quanto estas despesas representam sobre as vendas. Para chegar nesse percentual, o mais comum entre as micro e pequenas empresas é utilizar a base de volume de vendas.

Sendo assim, o cálculo é feito dividindo o total das despesas fixas da empresa pelo total de vendas do período. Conforme fórmula abaixo:

Total das Despesas Fixas ÷ Total das Vendas x 100.

O resultado indica o percentual (%) que as despesas fixas representam sobre as vendas.

IMPORTANTE: O ideal é fazer esse cálculo com o total de despesas fixas e o total de vendas do período de um ano. Dessa forma o resultado irá conter a média de 12 meses, levando em consideração todos os picos e baixas nas vendas.

Vamos ver um exemplo prático:

Esse resultado deverá ser considerado para a formação do preço de venda de seus produtos.

Como calcular os custos variáveis no preço do produto

São os valores gastos quando se realiza vendas dos produtos. Ou seja, a cada venda que é realizada, você deve identificar quais os custos que estão diretamente ligados a ela. Normalmente são considerados os impostos sobre a venda, bem como a comissão de vendedores e o próprio custo de compra do produto ou matéria prima.

Além do exemplo acima, em algumas empresas temos as taxas de cartões de crédito e débito que também devem ser consideradas. Assim, com todas essas informações referente aos custos variáveis em mãos, será possível:

Para calcular os custos variáveis no preço do seu produto, pense na seguinte situação: quando eu vender um produto, quais são os custos, taxas ou descontos que são descontados diretamente na minha venda. Vamos a um exemplo:

Digamos que se caso vendermos um produto por R$2.500,00, identifique os custos que devem ser pago:

Assim, teremos um total de 10,50% de custos variáveis, que são pagas quando a venda é realizada. Só para exemplificar: 

Despesas variáveis = R$262,50, ou seja, (10,50% de R$2.500,00)

Resumindo

Praticando estas etapas na sua empresa, você conseguirá ter os custos da empresa e os custos das mercadorias vendidas que podemos assim resumir:

Agora vem a cereja do bolo: O nosso lucro.

Margem de lucro, como definir

Primeiramente você precisa saber as despesas fixas e os custos variáveis do seu produto, conforme já explicado aqui. Logo após, é possível definir a margem de lucro que sua empresa pretende obter. Lembrando, que a margem de lucro deve ser levada em conta o que o mercado está praticando. Em outras palavras, seu lucro tem que ser justo e competitivo, deve existir um equilíbrio entre o preço de venda do seu produto com o que o mercado está aplicando. 

Markup: o que é e como calcular

Definido todas as etapas anteriores, é hora de conhecermos um índice de comercialização. Uma fórmula matemática que considera algumas variáveis para gerar um índice para cálculo. Esse índice é chamado Markup e é utilizado para a formação do preço de venda dos produtos. A fórmula é:

100 / [100 – (% DF + % CV + % L)]

Onde:

Um exemplo prático para usar essa fórmula pode ser uma micro e pequena empresa que é optante pelo Simples Nacional, com alíquota de 4% sobre o faturamento. Como despesas fixas, tais como: aluguel, salário, telefone, aluguel, entre outros, que totalizam 15% do faturamento da empresa.

De custos variáveis como: embalagens, imposto e o frete, representam 20% do custo do produto. Por fim, a margem de lucro que a empresa pretende é de 25%. Então a fórmula fica:

100 / [100 – (% DF + % CV + % L)]

100 / [100 – (15 + 20 + 25)]

100 / (100 – 60)

100 / 40

Markup = 2,50

Em resumo, o markup a ser aplicado para cálculo do preço de venda é 2,5. Por exemplo, temos o custo de um produto R$ 120,00, multiplicando pelo markup, o produto deve ser vendido por R$ 300,00. Dessa forma, o valor final cobre o custo de compra, as despesas fixas, custos variáveis e sobra 25% do lucro desejado.

Preço de Venda = 120,00 x 2,50 = 300,00

Vamos para mais um exemplo prático. Vamos considerar que seu produto ou serviço custa R$50,00, e que você tem os seguintes índices:

CV=10%, DF=10% e L=10%

Aos cálculos:

100 / [100 – (% DF + % CV + % L)]

100 / [100 – (10 + 10 + 10)]

100 / (100 – 30)

100 / 70

Markup = 1,4286

Assim, basta multiplicar o valor do markup pelo custo do produto ou serviço. Ou seja:

Preço de Venda = 50,00 x 1,4286 = 71,43

Consegui ajudar nos primeiros passos para formação do preço de venda de seus produtos? Deixe seu comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *